Jéssica Beltrame
Jéssica Beltrame, Content Analyst Umbler

Inside Umbler #2: O mercado de Cloud Hosting

O mercado de cloud hosting, juntamente com o mercado de tecnologia, é um dos que mais cresce. Muitas organizações, pessoas e negócios utilizam empresas de hospedagem, mas não sabem ao certo como o mercado funciona e porque ele tem crescido tanto nos últimos anos.

Para isso, nós convidamos duas pessoas que entendem muito sobre o mercado para contar um pouquinho dessa trajetória e de como a Umbler está inserida no mercado de cloud hosting e pode ajudar no seu negócio.

Marcos Artigas

VP of People

– Em questão de tecnologia, o que mudou e como isso impacta na demanda dos desenvolvedores?

Dizer o que mudou na tecnologia é muito difícil, talvez, o mais fácil, seja dizer o que não mudou. A todo o momento o mundo do desenvolvimento de software tem algo novo a ser apresentado. Estamos em um período onde microservices, DevOps, Angular, kubernets, entre tantos outros, já não parecem mais ser novidade. Isso tudo já é de uso comum dentro do mundo do desenvolvimento. Fazer um novo sistema sem isso, parece até errado.. que loucura né?!

A utilização de muitos frameworks robustos e poderosos auxilia a vida de um dev. O tempo de desenvolvimento de um software é reduzido consideravelmente. Muitos dos requisitos funcionais e não funcionais mais comuns dentro de um sistema já se encontram previamente implementados em frameworks, ou até mesmo em plataformas. Mas isso não quer dizer que o desenvolvedor não precise conhecer todo o fluxo de vida de seu sistema.

O que venho notando no mercado de desenvolvimento é que existem muitos desenvolvedores que não estão se preocupando em saber como realmente as coisas funcionam. Muitos parecem ter perdido aquela vontade insana que se tem quando criança, de quebrar o brinquedo só para ver o que tem dentro. Porém, essa atitude, ao meu ver, é muito importante. Pois, muitas vezes, um sistema quando submetido a extremo uso apresenta diversos problemas, como por exemplo aqueles gerados por concorrência dentro dos processos. Quem é “fuçador” e já entende todo o fluxo de dados que ocorre dentro do framework, ou seja, de todo o seu sistema, não teme esse tipo de problema. Sim, às vezes é difícil de resolver, mas não impossível. Agora, quem não se preocupa com esse entendimento, muitas vezes decide refazer todo o sistema, com outra linguagem, outro framework, outro banco de dados e no final de todos as sprints, o problema ainda está lá.

O mundo o desenvolvimento está crescendo, está se tornando mais ágil, mas não podemos deixar de lembrar que desenvolvedores não são apenas usuários.

DICA: Se você acha que talvez não possa passar por isso, faça um teste. Verifique o tamanho da pasta onde você guarda todo o código que escreveu. Depois instale todas as dependências de seu sistema e compare o tamanho. Não é nada difícil de criar um “hello world” hoje que já saia consumindo 256MB de RAM. A questão que quero levantar é: será que você sabe realmente escolher as tecnologias necessárias para resolver seu problema?

– Quais as inovações implementadas na Umbler que destacam ela no mercado de cloud hosting?

Nós estamos sempre nos empenhando em entender os diversos fluxos de trabalho de um desenvolvedor e também das agências de desenvolvimento no qual muitos deles trabalham. Trabalhamos diariamente para tornar a Umbler uma plataforma que facilite a vida dessas pessoas. Acompanho o mercado de hosting há pouco mais de 10 anos. Nosso CEO, o Flávio, já está no mercado há mais de 15 anos. Com isso, vimos o mundo do desenvolvimento mudar muitas vezes, mas as empresas de cloud hosting, que inicialmente nem em cloud eram, dificilmente conseguiam acompanhar essa evolução. As empresas que cresceram muito rápido, não conseguiram evoluir e se desvencilhar de seu legado, se tornando sempre uma solução engessada que força o desenvolvedor ou agência web a se encaixar no fluxo de trabalho imposto pelo hosting. Como a Umbler quer facilitar a vida dessas pessoas, obrigar elas a fazerem as coisas de nossa forma, é no mínimo contrario a ideia de facilitar.

Um exemplo foi quando implementamos a integração com o GitHub. Os desenvolvedores inicialmente armazenavam seus códigos fonte dentro de pastas em seu computador, a partir do momento que precisavam colaborar o desenvolvimento com outros devs, começava a dar problema por conta das diversas versões de código. Saber o histórico do código também se tornou indispensável, afinal de contas, quem nunca precisou dar um rollback, não é mesmo? Então começamos a utilizar SVN, GIT e outros versionadores dentro de algum servidor local. Com o passar dos anos esses servidores foram migrados para a nuvem, dessa forma utilizamos atualmente GitHub, BitBucket, GitLab e etc. Não faz mais sentido obrigar o desenvolvedor a ter dois passos para realizar a implementação do seu código em produção, basta realizar o ‘push’ dentro de seu versionador GitHub e o código é automaticamente replicado para dentro dos servidores da Umbler. Arrastar arquivos através do FileZilla me parece que está ficando cada dia menos comum.

Como já foi dito anteriormente, as inovações não param de aparecer e estamos sempre atentos a elas. Por esses motivos estamos sempre remodelando nossos produtos para que eles possibilitem a utilização de todas essas tecnologias da melhor forma possível. Se comprometer em realmente ajudar e entender nossos usuários destaca a Umbler no mercado de Cloud Hosting.

– Falando de futuro, quais as previsões para o mercado?

Não sou um futurologista ou algo assim, mas tenho certeza que o mercado de Hosting não vai cessar o crescimento. Não pelos próximos 10 anos, no mínimo. O mercado de Hosting, como qualquer outro mercado digital, é vinculado ao crescimento da utilização da internet.

“Mas todos usam!” – dizem eles, mas na verdade não é bem assim. Acredita-se que as vendas online irão dobrar até 2021. Isso traz mais investimento para esse mercado, pois as lojas online precisarão de mais capacidade de processamento na sua fatia da nuvem, já que suas vendas crescerão exponencialmente. 

Outro movimento que também tem crescido muito são os produtos ou serviços O2O (online to offline). Nos últimos anos nos acostumamos a consumir produtos de empresas que utilizam esse modelo de negócio, sem nem saber ao certo como funciona e o quanto isso também gera um crescimento no mercado de hosting.

Sabemos que o mercado de cloud hosting está crescendo e que continuará em crescimento, o difícil é traçar os caminhos e proporções que este crescimento tomará. Afinal, são muitas tecnologias e tendências. São os desenvolvedores que escolhem a hospedagem ideal (por isso adoramos eles. hehe)

DICA: Tem um radar de tecnologia que gosto de acompanhar que é feito anualmente pela empresa ThoughtWorks. Nesse radar você pode ter uma ideia do que pode vir a se tornar o futuro, nada é certo, mas sempre estamos de olho no que é meio certo 😉

Fábio Borges:

VP of Product

– Como é o cenário atual do mercado de cloud hosting?

Podemos dizer que hoje existem as mais variadas formas de se hospedar um site ou aplicação dentro das seguintes categorias macro:

IDC: Geralmente essas empresas oferecem serviços de co-location. Algumas já oferecem o link com as operadoras de telecomunicação, outras você precisa contratar separadamente, e há também as que oferecem um servidor físico, pronto para você gerenciar. Esse tipo de solução é ideal para quem, assim como a Umbler, oferece um serviço com uma camada de abstração em cima, que necessita de muitos recursos (banda de internet), por um custo reduzido. Tenha em mente que, nesse caso, você precisa de uma equipe especializada para tratar de todos os trâmites que envolvem a operação.

IaaS: Oferecem uma abstração sobre o data center. Você não precisa se preocupar com a parte de hardware, coisas como gerenciamento de hack, energia, links de internet, compra de equipamento, instalação, configuração e o gerenciamento de tudo isso. Isso é feito pelo provedor de IaaS e a principal vantagem é que você tem total autonomia sobre as configurações da sua máquina. Entretanto, a principal desvantagem é que você tem que cuidar do gerenciamento de recursos, e manter tudo isso seguro e atualizado. Um trabalho que geralmente está fora do escopo de trabalho de quem desenvolve para a web.

PaaS: A plataforma abstrai vários aspectos como gerenciamento da infraestrutura, atualizações, segurança, deploy, etc. É aqui que a Umbler se encaixa melhor. Atualmente somos uma plataforma fechada, mas estamos trabalhando para mudar isso, o que nos permitirá oferecer um nível de abstração no qual, com uma curva de aprendizado muito pequena, você conseguirá hospedar um site ou aplicação no ar em poucos minutos.

Estamos trabalhando para melhorar, cada vez mais, a relação entre facilidade – que não abrimos mão – e liberdade de configuração, pois acreditamos que quanto mais autonomia você tiver para personalizar o seu ambiente, desde que você não seja obrigado a fazer isso como acontece no caso de ofertas de IaaS, melhor ele atenderá aos seus objetivos.

Hospedagens Clássicas: Provedores que oferecem hospedagem de sites compartilhados, geralmente com base em CPanel (saudade dos anos 90, só que não :)). Resolve o problema de muita gente pra ser sincero, mas dá um pouco de vontade de se matar enquanto usa um desses não dá? Ainda dentro dessa categoria tem aqueles provedores que oferecem tudo de todas as coisas, geralmente tudo meio mal feito, porque não tem como ser bom em tudo, não é verdade?

BaaS: Soluções desse tipo tem se popularizado ultimamente. Elas oferecem uma abstração sobre o PaaS, geralmente entregam APIs prontas e diminuem a curva de desenvolvimento em alguns casos. O ponto negativo é que você fica totalmente refém de um fornecedor e deve adaptar a sua aplicação e modo de desenvolver para um formato específico. Outro ponto negativo é que no longo prazo esse tipo de solução tende a ficar muito cara, na medida em que você consome mais recursos.

SaaS: Nessa categoria temos alguns construtores de sites e landing pages. São boas opções para sites super simples e sem muita pretensão.

Como a Umbler se insere nesse quadro?

Nosso mantra é “facilitar a vida de quem desenvolve para a web” e os feedbacks que recebemos diariamente nos fazem acreditar que estamos conseguindo fazer isso. No atual momento, o foco total da Umbler está voltado em atender da melhor forma possível as demandas de pequenas e médias agências. Temos trabalhado com muita força nisso.

Como podemos inovar e apresentar soluções realmente novas para os clientes?

A grosso modo, a inovação pode vir basicamente de dois lugares: bottom-up (a partir de uma necessidade) ou top-down (a partir da tecnologia). Partindo desse princípio, pode ficar mais fácil de identificar de onde há uma maior probabilidade de vir a inovação para o caso específico do seu negócio.

Agora a resposta para a pergunta “como podemos inovar?”, pode ser um pouco frustrante por não existir uma receita de bolo para a inovação. De qualquer maneira vou tentar passar um pouco da minha experiência pessoal. Partindo do princípio de que inovar é diferente de inventar. Acho que a dica seria: se exponha continuamente ao máximo de informações e situações diversas que você puder. Veja muitos cases, leia muitos livros, assista muitas palestras, vá a muitos lugares diferentes. Acredito que a inovação e a criatividade vem da composição de vários pedaços de soluções diferentes (experiências do passado) que você une numa mesma solução para atender a um contexto específico (uma necessidade ou problema).

O fato é que vivemos num mundo cheio de pessoas (as que geram as soluções) e mais cheio ainda de necessidades (oportunidades). Todas as pessoas estão expostas a as mesmas oportunidades todos os dias, mas apenas umas poucas estão preparadas. Ou seja, já tiveram as experiências necessárias, do passado, para gerar soluções (inovar) para essas necessidades não atendidas, no momento certo (e isso talvez seja o fator mais determinante para o sucesso).

Falando de futuro, quais as previsões para o mercado e como a Umbler vai se preparar para essas novas tendências?

Estamos vivendo, e isso não é de hoje, um crescimento exponencial no nascimento de novas tecnologias, soluções, técnicas e tudo mais. Enquanto profissionais de tecnologia, isso dificulta bastante (no bom sentido) as coisas na hora de decidir qual tecnologia adotar, qual técnica é “a melhor” para determinada tarefa, tudo isso em virtude da vasta gama de opções. Naturalmente, algumas opções vão se consolidando e outras acabam morrendo, e com alguma frequência das que se consolidam acabam surgindo especializações. Da mesma forma, uma tendência natural para novas empresas como a Umbler, e talvez a sua empresa, é se especializar num nicho específico e resolver o problema desse nicho de forma genial. Falando nisso, uma das premissas da Umbler é “oferecer uma experiência genial” é assim que temos nos diferenciado e assim que pretendemos ganhar o jogo.

Agora, um grande desafio que a Umbler – e a sua empresa também – tem pela frente é que o futuro inevitavelmente será daqueles que respondem rápido às mudanças. Daqueles que entendem mais do negócio do cliente. Então, agilidade não é uma opção. É simplesmente uma questão de sobrevivência, ainda mais em empresas de tecnologia. Por conta disso, estamos trabalhando muito essa questão internamente nos nossos times.

Dicas para empreendedores Devs?

Eu bem que tentei fugir do clichê aqui, mas não consegui, então me perdoe e vamos em frente:

1 – Se você fizer algo, a pior coisa que poderá acontecer é “nada”, o que já vai acontecer de qualquer forma se você não fizer. Então vá em frente, faça!

2 – Experimentação, experimentação, experimentação. As coisas ficam muuuuito mais fáceis quando você tira a carga da obrigação de “estar certo” da primeira vez. Essa obrigação te deixa lento, ou até mesmo paralisado. Pense que tudo é uma hipótese a ser testada. Nada é a verdade absoluta, a menos que tenha sido provada na prática.

3 – Tudo é passageiro. Nada do que você fizer vai durar para o resto da vida, não precisa ser assim e é ótimo que não seja. Pense que o que você está fazendo agora é para resolver o problema de agora, não o problema que pode surgir daqui 10 anos. Caso contrário, você estará criando um motivo para não fazer.

4 – “Pensar grande e pensar pequeno dá o mesmo trabalho.” Buuut, o que ninguém te fala é que fazer algo grande dá um trabalho desproporcionalmente maior. Você precisa de muito dinheiro e via de regra demora muito tempo para ter o retorno. Então não tenha medo se a sua ideia não é “a nova startup, ultra, mega, blaster, que vai revolucionar o mundo por completo”. Você pode fazer algo pequeno, que dá pouco trabalho para executar e que não precisa de tanto dinheiro assim pra começar. Talvez não dê tanto dinheiro como você queria também, mas talvez você consiga fazer tudo sozinho no início e talvez isso já seja o suficiente para você atingir os seus objetivos ou, na pior das hipóteses, servirá como aprendizado para o seu próximo empreendimento. Então, novamente, faça!

5 – Sabe aquela emoção de ver o código funcionando sem bug em produção? Pois é, você vai começar a ficar mais emocionado com a ideia de adquirir um novo cliente. E isso envolve venda e marketing, e esse poderá ser o fator determinante para você ter sucesso ou não, então comece a exercitar o outro lado do cérebro.

6 – Tem um monte de coisas que você precisará fazer que você não terá tempo ou know how para isso, mas terá que fazer acontecer de qualquer forma. O Fiverr.com e outros poderão te ajudar com esse tipo de coisa.

7 – E, o mais importante, seja positivo! Pense que vai dar certo, porque vai dar certo, você sabe que vai dar certo. Na verdade já começou a dar certo! <- essa é a mais clichê de todas as dicas, mas é a mais pura verdade.

Atualmente você está morando nos EUA, como é ser um líder remoto num país como os Estados Unidos?

Na Umbler estamos em constante evolução, o que inevitavelmente significa que estamos fazendo mudanças e experimentando coisas novas o tempo todo. O trabalho remoto é uma das mudanças pelas quais estamos passando no momento e a cada dia nos adaptando a essa nova realidade.

Pelo fato do trabalho remoto requerer uma profunda mudança de mindset e de cultura, não é algo que possa ser implementado da noite para o dia. Encaramos como um projeto de longo prazo no qual, intencionalmente, removemos uma barreira de adoção do trabalho remoto a cada dia. É fácil? Definitivamente não é. Vale a pena? Bom, depende do seu tipo de negócio. Para a Umbler é estratégico.

Falando um pouco da minha experiência pessoal com o trabalho remoto, essa forma de trabalhar me mantém muito mais focado, fazendo com que eu consiga ter muito mais horas por dia realmente trabalhando. Usamos o Slack para nos comunicar, Trello para organizar os projetos e processos e Google Drive para os documentos. Como todo aquele que vem da área de desenvolvimento, sempre odiei documentação, mas o fato é que para compensar a diminuição da comunicação face a face e das reuniões presenciais, naturalmente acabei gerando muito mais documentação. Algumas reuniões desnecessárias foram substituídas por algumas mensagens no Slack ou por um documento no Drive. Em vez de explicar os mesmos processos para as mesmas pessoas mais de uma vez, criamos documentos “passo a passo”, que ficam disponíveis para futuras dúvidas e funcionários consumirem quando necessário.

 

Curte nosso trabalho e quer saber mais como as coisas funcionam aqui? Então deixe seu comentário. Estamos preparando outros conteúdos muito interessantes sobre a nossa metodologia ágil e o nosso tão amado Umblerito.

 

 

Jéssica Beltrame
Jéssica Beltrame, Content Analyst Umbler