Caio Nogueira (Convidado)
Caio Nogueira (Convidado), CEO at UpSites

Home office deve persistir depois da pandemia?

Nos últimos dias, muito espaço é dedicado ao tema Home Office. A situação de pandemia sem precedentes resultou em um aumento significativo no número de pessoas que começaram a trabalhar remotamente em maior grau do que antes, ou encontraram esta forma de cumprir suas obrigações profissionais pela primeira vez.

O conceito de Home Office (denominado: trabalho remoto) não é novo. Já em 1962 na Grã-Bretanha, a empresa “F International”, a fim de reduzir a rotatividade de pessoal, empregava mulheres em serviços de programação que trabalhavam em casa.

O termo ” teletrabalho” foi usado pela primeira vez em 1972 por Jack Schiff no The Washington Post (Zalega, 2009, pp. 38-39). No entanto, o criador do conceito de trabalho remoto é considerado Jack Nilles.

Covid-19 e Home Office

A pandemia de coronavírus levou multidões de funcionários a trabalhar remotamente. Para a maioria dos funcionários, esse modo de trabalho é novo ou quase novo, o que traz problemas: menor eficiência e fadiga. Mas acontece que algumas empresas não querem restaurar o emprego de tempo integral nos escritórios e muitos funcionários também.

O trabalho remoto tem muitos benefícios para as empresas. A primeira vantagem é a economia. Trata-se de economizar na alimentação da empresa (café, chá, água), mas também nas viagens de negócios e treinamentos, que agora estão online.

Para os funcionários, no topo da longa lista de benefícios do teletrabalho está, obviamente, o melhor equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

Os pais podem estar mais presentes no dia a dia dos filhos e não estão necessariamente ausentes do trabalho se a criança estiver doente e precisar usar o plano de saúde familiar para atendimento no hospital. Isso aumenta a satisfação dos funcionários e, portanto, também sua motivação e produtividade.

Falando em tempo: os colaboradores têm mais tempo no Home Office, não só porque não precisam mais se deslocar, mas também porque são mais flexíveis na gestão do tempo. Isso, por sua vez, resulta em maior produtividade.

Mas do lado negativo do Home office vemos o acesso limitado aos recursos da organização, além da redução do acesso à formação e diminuição das possibilidades de desenvolvimento e promoção.

Além disso, a necessidade de planear e organizar o dia de forma independente, pode ser um desafio, principalmente para os colaboradores que têm dificuldades (ou nenhuma experiência) na área de gerir o tempo, concentração e ação.

Isso pode desencadear a sensação de estar “constantemente trabalhando”, desistindo dos intervalos, trabalhando nos finais de semana e, consequentemente, esgotamento físico e mental.

82% das pessoas querem trabalhar em casa após o fim da pandemia

A pandemia de coronavírus pode ser um catalisador para o aumento do número de pessoas trabalhando remotamente, de acordo com um estudo conduzido pela Colliers International em um grupo de 3.000 funcionários de escritório de 25 países. De acordo com análises preliminares, até 82% das pessoas gostariam de trabalhar em casa um ou mais dias por semana após o fim da pandemia de COVID-19.

No estudo, a empresa de consultoria internacional Colliers International perguntou a pessoas cujas profissões exigem trabalhar em um escritório sobre sua experiência de mudar para o trabalho remoto devido à pandemia de coronavírus (COVID-19).

Conclusões sobre estudo

As conclusões preliminares do estudo mostram que:

  • 82% dos entrevistados gostariam de trabalhar remotamente um ou mais dias por semana após o fim da pandemia de COVID-19.
  • 71% das pessoas que nunca trabalharam em casa antes da pandemia de COVID-19 gostariam de trabalhar remotamente pelo menos uma vez por semana no futuro.
  • 53% dos entrevistados acreditam que sua produtividade não mudou por causa do trabalho em casa, 24% acreditam que sua produtividade aumentou e apenas 2% dos entrevistados acreditam que sua produtividade diminuiu.
  • O maior aumento na produtividade é declarado por pessoas que representam os setores de serviços financeiros, profissionais e de tecnologia. A maior queda na produtividade é relatada por pessoas do setor jurídico, educação e pesquisadores.
  • 55% dos entrevistados acreditam que podem fazer um trabalho individual que exige concentração.
  • 76% dos entrevistados acreditam que apesar do trabalho remoto e da distância física, eles ainda têm um bom contato com os membros de sua equipe. No entanto, 58% dizem que podem colaborar muito melhor com outras pessoas no escritório do que em casa.

Chris McLernon, CEO da Colliers International EMEA, comentou sobre o estudo que seus resultados preliminares indicam que a pandemia de coronavírus levará a mudanças fundamentais na forma como trabalharemos no futuro.

Estamos apenas passando no maior teste de trabalho remoto de todos os tempos. Seus resultados terão um impacto significativo em como trabalharemos no futuro, diz Chris McLernon. Compreender como os funcionários percebem o trabalho em casa durante este período desafiador é crucial.

O estudo conduzido pela equipe nos dá acesso a dados únicos e globais com base nos quais poderemos preparar recomendações para melhorias de curto prazo para esta forma de trabalho e as consequências de longo prazo de tal solução.

O que é preciso para um bom Home Office?

Ao trabalhar em casa, torna-se essencial separar o trabalho da vida privada. Outra questão é isolar-se efetivamente das distrações domésticas, como seu parceiro ou filhos. Se não fizermos isso direito, nossas responsabilidades de trabalho se estenderão ao longo do dia.

Além disso, de acordo com as recomendações de especialistas em gestão e psicólogos, o trabalho em casa deve ser realizado em um espaço especialmente designado e que não se confunda com a área de descanso da casa. A questão é que o descanso não deve ser associado a deveres profissionais e vice-versa.

Outro ponto importante é a conexão. A base do trabalho online é a Internet rápida e confiável. A velocidade de transferência de dados é crucial. A falta repentina e prolongada de acesso à Internet pode prejudicar o desempenho de nossas funções. 

Ao trabalhar remotamente, devemos nos lembrar de manter a ordem, especialmente na mesa. Misturar coisas privadas e de negócios criará o caos, e trabalhar com a bagunça não permite que você se concentre adequadamente.

Além disso, ao trabalhar remotamente, também devemos nos lembrar de falar com os membros da família. Se tivermos filhos, devemos explicar cuidadosamente o tempo que passamos sentados ao computador. Isso facilitará muito o trabalho.

Home Office pós pandemia: sim ou não?

Com base na pesquisa mencionada acima, vimos que os funcionários viram inúmeros benefícios nessa forma de trabalho (incluindo equilíbrio entre deveres profissionais e pessoais ou ajuste do trabalho às necessidades pessoais ou familiares). 

O trabalho remoto, agora pode ser um dos benefícios para o trabalhador, além de contribuir para gerar economia para o empregador e reduzir a degradação do meio ambiente.

Mas a aceitação do Home Office e a utilização de modelos de horário de trabalho flexível ainda diferem de empresa para empresa.

Se o trabalho remoto faz sentido ou não, deve ser decidido caso a caso. Uma coisa é certa: o Home Office é um modelo de trabalho moderno e flexível, com grande potencial futuro e inúmeras vantagens para funcionários e empregadores. Hoje, temos uma gama muito grande de pessoas que trabalham no marketing digital, como em link building, otimização SEO, criação de sites wordpress, e por aí vai.

No entanto, em caso de implementação inadequada ou falta de condições de enquadramento, também acarreta riscos. Uma combinação sensata de teletrabalho e estar no escritório pode ser uma boa saída!

Caio Nogueira (Convidado)
Caio Nogueira (Convidado), CEO UpSites

Crie sua conta e ganhe 7 dias grátis para testar os sites e e-mails!

Cadastre-se na Umbler sem compromisso ;)