Punição aos pop-ups: tudo que você precisa saber

Você provavelmente já viveu essa situação: está navegando em uma página e BAM, algo aparece na frente. Você não consegue fechar a página que fica sobre o conteúdo que você está lendo, se atrapalha. Você estava lendo algo que estava te interessando e teve sua experiência interrompida. Isso foi um pop-up. Nós amamos odiar os pop-ups, principalmente porque só de falar neles nos lembramos daqueles anúncios que apareciam nos navegadores e abriam novas abas/janelas sem que pudéssemos entender nada.

Gif com pop-ups da internet

A verdade é que pop-ups eram muito rentáveis para alguns sites. Com o tempo, porém, foram surgindo formas de bloqueá-los e eles foram perdendo a força – apesar de ainda serem utilizados aqui e ali. Fast forward para 2006, o termo Inbound Marketing surge e apresenta uma nova ideia de marketing que atrai os visitantes através de conteúdo relevante, ao invés de “empurrar” mensagens indesejadas. Inbound é uma outra forma de pensar a captura de contatos, e os formulários que trocam um lead por um conteúdo específico – e-books, whitepapers e infográficos – ficam no centro desta filosofia. E uma forma de captar novos leads, potenciais clientes é através de…pop-ups!

Não me leve a mal, os novos pop-ups são do bem, eles não querem te vender algo que você não quer ou falar de um produto, serviço ou empresa da qual você nunca ouviu falar. Não, esse pop-up te oferece um material bem valioso sobre um assunto que te interessa – afinal, está na página que você está visitando. Pop-ups para a captura de leads geralmente aparecem acima da página que você está lendo perguntando se você quer fazer o download de um e-book, se cadastrar em uma newsletter ou participar de um webinar. Muitas vezes, ao invés de apresentar um X como botão para fechar a página, mostram umas frases como “Não, não quero ganhar mais dinheiro/ter mais visitantes no meu site/capturar mais leads” – uma admissão de falha da sua parte. Quem é que não quer ter mais visitantes, ganhar mais dinheiro, ter uma vida melhor? Esses novos pop-ups, chamados pelo pessoal do podcast This Old Marketing, de pop-ups passivos-agressivos, tornaram-se muito populares, sendo utilizados e recomendados por muitos gurus do marketing.

Espera aí, mas pop-ups não eram horríveis? Não atrapalhavam a visualização, não eram intrusivos, horrorosos, marcas de uma internet antiga e ultrapassada? Então, veja bem. O que essa nova geração de pop-ups veio nos mostrar é que, se trabalhados corretamente – com bom timing, um bom call-to-action e uma oferta interessante, esses anúncios podem trazer resultados interessantes, como a conversão de 14.4% dos visitantes em assinantes de newsletter, como apontou o pessoal do Unbounce.

As histórias de sucesso são várias, números impressionantes de aumentos de captação de leads que pareciam redimir o pop-up de uma vez, quando o Google anunciou, em agosto de 2016, que, a partir de janeiro de 2017, sites mobile que usarem pop-ups serão penalizados nas buscas.

Gif Ozzy Choque pela proibição de pop-ups pelo Google

Google e a Punição aos Pop-ups Mobile

A decisão do Google de punir páginas que utilizam pop-ups é a segunda “fase” de uma investida da empresa em melhorar a qualidade dos resultados de buscas. Em 2014, a atualização no algoritmo que puniria páginas não otimizadas para dispositivos móveis nos resultados de busca, conhecido como Mobilegeddon, forçou muitos a reverem seus sites mobile. Hoje, 85% das páginas já são adaptadas para as telas menores, o que fez com que o Google abrisse mão da categoria “Mobile Friendly” e passasse a observar outros aspectos da experiência de uso mobile, considerando-os como critérios de posicionamento nas buscas. A decisão de punir os pop-ups vem para “melhorar a experiência de busca móvel”. Para isso, “páginas onde o conteúdo não está facilmente acessível para o usuário que faz a transição dos resultados de busca mobile poderão não ter um ranking tão alto“. Isso significa páginas que:

Google e a Punição aos Pop-ups Mobile

  • Mostrarem um pop-up que cubra o conteúdo principal da página, seja assim que o usuário venha dos resultados de busca ou após certo tempo de navegação;
  • Mostrarem um lightbox ou “modal” sobre a tela que o usuário deve fechar para continuar navegando;
  • Usarem um layout no qual a parte “acima da dobra” seja similar a um modal, deixando o conteúdo original abaixo da dobra;

O que não será punido pelo Google:

  • Pop-ups exigidos por lei, como os que avisam usuários sobre a utilização de cookies ou os voltados para a confirmação da idade (em sites de bebidas alcoólicas, por exemplo);
  • Confirmação de login para páginas com conteúdo não indexável;
  • Banners – como os para download de apps – que não ocupem muito espaço e que sejam fáceis de fechar/dispensar.

A notícia da punição de pop-ups pode parecer um choque frente aos bons resultados obtidos por marcas e agências com esse tipo de estratégia de captação de leads, mas existe uma verdade nessa história que não pode ser ignorada: pop-ups são chatos. Eles incomodam, atrapalham a leitura e fazem com que você (quando leitor) se sinta bombardeado.

Isso é ainda mais crítico quando tratamos de telas menores, como as de smartphones. Além do fator incômodo, o pessoal do Unbounce percebeu que emails captados via pop-ups tendem a ter menor engajamento nas listas, o que nos deixa com aquela pergunta: será que vale a pena irritar uma boa parte dos usuários para conseguir leads?

Formas de captar leads sem pop-ups

Content Upgrades

São os famosos “bônus” no fim de posts de blog importantes: se você ou sua agência produz conteúdo para clientes, pode incluir esse upgrade – um infográfico, uma apresentação, um whitepaper – em troca do e-mail do visitante. A diferença para uma oferta em um pop-up ou landing page é que esse upgrade está totalmente relacionado ao post que a pessoa acabou de ler, então, a probabilidade de existir interesse naquele assunto é bem maior!

Formulários em Redes Sociais

Inclua um formulário para cadastro em redes sociais! No Facebook, você consegue deixar essa aba como um “app” dentro da Fan Page e aproveitar posts para captar e-mails ali. Você também pode investir em Cards do Twitter para captura de leads.

Formulário no topo do blog

Use a parte “acima da dobra” do layout do seu blog para colocar um formulário ou uma oferta de conteúdo. Com um layout ou tema responsivo, você chama a atenção para o formulário e tem uma boa fonte para captura de leads.

Formulário que aparece após o scroll na página

Chamado de Scrollbox, é um formulário que aparece na página depois que o visitante já fez scroll. Ocupa menos espaço e pode ser uma boa forma de gerar assinantes para newsletters, por exemplo.

Push Notifications

Para avisar os seus clientes de um post novo no seu blog ou, mesmo, quando existe um conteúdo novo para download, você pode enviar uma notificação por Push no celular dele. É uma forma menos invasiva do que um pop-up e as pessoas precisam aceitar receber as notificações, portanto é uma forma “opt-in” de mandar novidades. Você pode desenvolver as notificações ou usar um serviço.

Notificações Personalizadas no Facebook

Sabe as notificações do Facebook que aparecem quando alguém curte uma foto, ou algum grupo tem uma nova discussão? É possível incluir notificações personalizadas da marca para o usuário – desde que ele tenha feito algum “login social” com o Facebook. Essa também é uma forma diferente de manter o engajamento e fazer uma oferta especial, mas use com parcimônia para não ficar invasivo.

Mas eu ❤ pop-ups e quero mantê-los no meu site (desktop)

Tudo bem, se pop-ups funcionam para você e fazem sentido na sua estratégia de desenvolvimento de sites, use-os! Não existe 100% certo ou 100% errado para todo mundo, e sim com o que funciona melhor com o seu público, sua empresa, sua proposta. Mas, se você quiser umas dicas, reunimos algumas para deixar o pop-up o menos intrusivo possível:

    • Use cookies para não mostrar o pop-up para quem já visitou a sua página, isso impede que as pessoas sejam afetadas todas as vezes que entram no seu site/blog;
    • Aperfeiçoe o timing do pop-up para dar tempo de a pessoa ler o que está na página antes de aparecer algo impedindo a leitura. Se alguém está no seu site há cinco segundos provavelmente jogar um pop-up na cara dela não vai ser a melhor forma de conhecer o que você está oferecendo;
    • Teste o pop-up apenas para quem está com intenção de saída da sua página;
    • Invista no Call to Action: deixe a intenção do pop-up bem clara. Se é para clicar, cadastrar e-mail, conhecer outra página, deixa essa informação em destaque.
    • Facilite a forma de fechar o pop-up: talvez as pessoas não estejam interessadas, deixe elas fecharem o pop-up se quiserem.

E você, ama ou odeia pop-ups? O que achou da proibição do Google? Fale para a gente 😉

  • Eu gosto dos popups. As pessoas se cadastram em grande escala. Digo isso indiferente de nicho porque temos em vários clientes.
    Porém, o post abre algumas ideias para melhorarmos e reanalisarmos os métodos utilizados atualmente.

    • Bruna Goss

      Oi, Fabio! Os pop-ups trazem resultados, é verdade! Acho que a questão da punição aos pop-ups é uma oportunidade de pensarmos tanto em outras possibilidades quanto em formas de melhorar as práticas que já fazemos para deixá-las menos invasivas.