Marta Marco Buyolo
Marta Marco Buyolo, Marketing Specialist Umbler

Mulheres na Tecnologia #3: O caso da Europa para atrair mulheres para o mercado

Dias flexíveis, uma melhoria nos salários e políticas corporativas que facilitam um ambiente mais igualitário, permitem que as mulheres se incorporem cada vez mais ao mundo laboral. Isso é evidente. Mas o que acontece quando olhamos para o setor de tecnologia? Apenas 17% dos especialistas em TI da União Européia são mulheres.

Dado esse número, é surpreendente encontrar mulheres que gerenciam as maiores empresas de tecnologia, por exemplo, na Espanha. Google, Microsoft, IBM, Siemens, eBay, LinkedIn e HP são administrados por mulheres. Suas gestoras são um forte exemplo da crescente presença feminina no topo do setor tecnológico. A partir dessas posições é mais fácil promover campanhas de conscientização para aumentar a igualdade de gênero na indústria, uma política que também se aplica às próprias empresas. A Microsoft, por exemplo, tem 37% de mulheres em equipes de TI e 42% em gerenciamento. Os dados são revolucionários mas ainda há um longo caminho a percorrer.

Quando olhamos para a empresa de médio e pequeno porte, o cenário mostra que só 1 a cada 4 startups na Espanha são administradas por mulheres. Geralmente, elas são delegadas a posições que tem sido taxadas como femininas, onde o maior número de funcionárias é encontrado. O marketing, as vendas, os recursos humanos ou o serviço ao cliente são algumas dessas áreas. Em contraste, quando você olha para equipes de TI, as mulheres ocupam menos de 25%, e apenas 10% lideram suas equipes.

Em outros países como a Alemanha, a indústria de software ainda está fortemente dominada pelos homens. 25 de cada 100 estudantes em carreiras de engenharia da informação são mulheres. Apenas 14% das startups alemãs foram fundadas por mulheres. É assim que movimentos como do Geekettes, em Berlin, surgem para encorajar a introdução de mais meninas no mundo da tecnologia, através de aconselhamentos, cursos, oficinas e suporte para fundar suas próprias empresas.

Na Irlanda, o cenário das startups é mais otimista. Somente na capital irlandesa, Dublin, existem 224 empresas de tecnologia fundadas por mulheres, empregando 2.761 pessoas. O próximo mês de abril terá um evento sob o lema “Claim your space and own it!”, em que as dificuldades que o mundo dos negócios representa para as mulheres no momento da liderança, a obtenção de investimentos e a presidência de suas empresas são apresentados. Ou o evento WOMEN IN TECH, que busca dar voz às mulheres que ainda são uma minoria no mundo da tecnologia. Algo que, no entanto, é possível mudar.

Surpreendentemente, a Europa Oriental representa uma maior proporção de mulheres trabalhando em tecnologia, onde 1 em cada 4 empregados são mulheres. O quadro a seguir mostra o mercado europeu (dados de 2015), época que tinha cerca de 8 milhões de especialistas em TI. Desta figura, o papel das mulheres representou apenas 16% (1,2 milhões).

Mas vamos para a raiz do assunto: a universidade

A realidade é que até a década de oitenta, as mulheres ocuparam as salas de aula de informática quase em pé de igualdade com os homens, e esses dados pareciam estar aumentando. No entanto, o número parou no início dos anos noventa, quando a taxa de mulheres começou a cair. Exatamente, no momento em que a área da computação começou a ganhar maior prestígio e importância. Agora, nas carreiras de engenharia na Europa, as mulheres ocupam 25% dos cargos.

Uma das principais desvantagens são os estereótipos relacionados ao mundo das ciências exatas, que são mais orientados para os homens. Enquanto as mulheres estão mais relacionadas com carreiras nas ciências humanas e sociais. Esses estereótipos começam nos primeiros anos da educação e continuam por falta de orientação, ou talvez de informações. Isso leva muitas adolescentes a ignorar a opção de se dedicar à tecnologia. Muitas vezes, subestimam suas habilidades em áreas que são mais ligadas aos homens. Este é um problema sério para a Europa, onde a economia digital está ficando mais forte, o número de startups aumenta e a demanda por programadores e especialistas em TI continua crescendo.

Com a rápida incorporação à economia digital na União Européia, a falta de mulheres no campo da tecnologia representará um risco sério para cobrir a grande oferta de empregos exigidos. De acordo com dados do Eurostat, mais de 1,4 milhão de pessoas estavam estudando Tecnologias de Informação e Comunicação em 2015. As estudantes femininas representavam uma minoria de 17% em relação ao número total de estudantes. Grécia, Bélgica e Bulgária são os países com maior número de mulheres que decidem estudar ciência da computação.

Mulheres na tecnologia na história europeia

É incrível, se olharmos a história, tudo o que mulheres como Ada Lovelace, Rózsa Péter, Jude Milton ou Edith Clarke conseguiram num mundo principalmente masculino. E é precisamente graças à sua força e dedicação, que hoje temos a tecnologia que transportamos nos nossos smartphones e computadores. Mas ficamos ainda mais surpresos com a história do austríaca Hedy Lamarr, que para muitos foi uma das mulheres mais bonitas da Europa. Ela foi a precursora do desenvolvimento do Wi-Fi, uma tecnologia que agora é essencial no uso de nossos dispositivos móveis com uma conexão à internet. Tentando forjar uma carreira como atriz nos EUA, o jovem Lamarr conheceu o músico e inventor Antheil, com quem começou a colaborar em algumas invenções. Um deles era o salto de frequência, um método para alternar rapidamente entre frequências sincronizadas aleatoriamente. Estes casos de sucesso, quando a mulher foi fortemente estereotipada (especialmente no mundo do cinema e Hollywood), deve ser uma ótima inspiração para as mulheres que querem dedicar-se à tecnologia hoje em dia.

Campanhas para promover a inclusão da mulher no mercado

Atualmente, os eventos realizados em todo o continente demonstram a presença cada vez mais forte de mulheres no setor de tecnologia. A European Women In Tech, que mostra as posições femininas que a indústria de software está ganhando, a organização Girls In Tech ou a plataforma da Comissão Europeia Women In Tech EU são a cara visível das campanhas para promover a igualdade nessa profissão e dar maior visibilidade às mulheres que já estão trabalhando.

Precisamente, a Comissão Europeia lançou recentemente a campanha “Sem Mulheres, Sem Painel”, para aumentar a conscientização sobre a inclusão de ambos os gêneros em todos os tipos de eventos e conversas sobre tecnologia, pois eles são um reflexo muito importante para a sociedade. Se começarmos a ver palestras mistas em qualquer tipo de evento, isso começará a ser refletido no âmbito das empresas, e mesmo na própria sociedade. O início desta iniciativa será o festival de cinema de Cannes, incentivando a inclusão de mulheres no mundo audiovisual. O próximo passo será a implementação de prêmios e reconhecimentos para promover a inclusão feminina no setor de TI.

 

A Comissão Européia também lançou a campanha Women in Digital para aumentar o número de mulheres no setor digital, com foco em três áreas: superar estereótipos, promover habilidades digitais e motivar as mulheres a ocupar altos cargos. A iniciativa é o resultado de um estudo recente que demonstra a necessidade de incorporar as mulheres em empregos digitais, o que significará uma renda anual de 16 bilhões de euros no PIB da UE.

Mulheres europeias na tecnologia que rompem estereótipos

Além de Lamarr, já mencionada, que rompeu com o estereótipo de que é possível ser bonita, trabalhar no mundo do cinema e também participar do desenvolvimento da tecnologia WiFi, além de outras invenções, encontramos muitas mulheres que influenciam muito o setor. Ao analisar a maioria das influenciadoras do continente europeu, destacamos cinco:

Sue Black (UK) – Engenheira de computação, fundadora da Tech Mums e mentora do Campus Google for Mums. Além de ter publicado inúmeros livros, é a criadora da plataforma TechMums dedicada a realizar campanhas de capacitação para as mães e famílias no uso da tecnologia com cursos gratuitos.

 

 

Sofie Lindblom (Suécia) – CEO e co-fundadora da Ideation360 Corporation. Além de ter oferecido duas TED Talks, uma delas chamada “IT girls are the new it girls” (meninas de TI são as novas it girls), preside a empresa Ideation360 para ajudar empresas a serem inovadoras e gerarem um crescimento sustentável.

 

 

Linda Lukas (Finlândia) – Co-fundadora da railsgirls.com. Além de publicar o livro infantil “Hello Ruby”, ela fundou a plataforma Rail Girls, para capacitar as meninas e as mulheres com ferramentas tecnológicas, cursos e outros recursos de aprendizagem. Além disso, workshops são organizados em todo o mundo. Próximo evento no Brasil será em 13 e 14 de abril, em Brasília.

 

 

Verena Pausder (Alemanha) – CEO e fundadora da Fox & Sheep. Seu trabalho é criar aplicativos para ajudar pais a orientar as crianças através do mundo digital. Sua empresa também oferece oficinas para que as crianças possam aprender a programar.

 

 

Inés Vázquez e Rosario Ortiz (Espanha) – Fundadoras da Adalab, uma organização sem fins lucrativos onde as aulas de informática são ministradas apenas para mulheres. O objetivo é lutar contra a desigualdade no campo da tecnologia da informação e incentivar o setor feminino a liderar o mundo digital. Elas também oferecem programas de voluntariado. E, como você pode ter percebido, o nome é inspirado na mãe dos computadores, Ada Lovelace

 

Como atrair mais mulheres?

O desafio deve ser colocado na mesa. O setor de software na Europa precisa de mais profissionais e especialistas na área de computação. Isso também inclui um grande número de mulheres. No entanto, para poder pavimentar o chão, é preciso dar alguns passos que significam muito.

  • Implementar cursos de programação em escolas, conscientizando que a tecnologia é adequada para ambos os sexos.
  • Consciência familiar para apoiar meninas a prosseguir carreiras em tecnologia, rompendo estereótipos de gênero e incentivando seu interesse.
  • Reconhecimentos e prêmios para colocar a cara dessas mulheres que influenciam e inspiram no setor. Também promovendo campanhas de conscientização sobre igualdade e sua importância.
  • Melhorar as políticas que atendem a situação das mulheres no local de trabalho, como as relacionadas à licença de maternidade e paternidade. Além das políticas de transparência nos processos de recrutamento de pessoal.
  • Introduzir e incentivar um balanço equilibrado entre a vida profissional e a vida privada dentro das empresas.
  • Aplicar mais políticas de flexibilidade e opções de trabalho remoto de forma total ou esporádica.
  • Maior igualdade de tarefas na esfera doméstica. Entregando o peso da responsabilidade igualmente entre o casal, para reduzir o trabalho da mulher.
  • Considerar que a igualdade de gênero na era digital é um elemento estratégico e necessário.

Em suma, precisamos de mais mulheres no campo da tecnologia, porque cada vez mais empregos estão sendo criados. Além disso, a diversidade melhora o resultado dos projetos, trazendo mais criatividade para as equipes e expandindo a visão para alcançar novos objetivos. Seguir ou não carreira na tecnologia não deve ser uma decisão influenciada por estereótipos aprendidos quando crianças. Falamos de capital humano, força de trabalho e entusiasmo, que é totalmente independente do gênero.

 

Marta Marco Buyolo
Marta Marco Buyolo, Marketing Specialist Umbler

Crie sua conta e ganhe até R$ 25 em créditos para testar os sites e e-mails!

Cadastre-se na Umbler sem compromisso ;)