Jéssica Beltrame
Jéssica Beltrame

Diversidade na TI: Por que a Umbler insiste na diversidade dos times?

Falar sobre diversidade, principalmente no ambiente de trabalho, é algo que se faz cada vez mais necessário. Ter uma força de trabalho diversificada já não significa mais apenas paridade entre gêneros. Diversidade significa empregar pessoas de diferentes gerações e culturas, pessoas com capacidades diversas e também certificar-se de que há igualdade em todas as dimensões da diversidade.

As melhores soluções são criadas por times diversos de talentos. Muito se fala sobre diversidade no ambiente corporativo. O tema ganha cada vez mais importância entre empresas de diversos setores. No segmento de TI, mais do que uma questão de bom senso, buscar um ambiente mais heterogêneo tende a impulsionar estratégias digitais. O mundo digital de hoje exige nova forma de pensar, novos recursos, execução mais rápida e, mais importante, empresas precisam de uma força de trabalho completa e integrada. Precisam de uma força de trabalho que possa cumprir a promessa proposta pela transformação digital.

Empresas que apoiam a causa

A DiversityInc publica anualmente a lista das 50 melhores empresas no que tange suas práticas de diversidade e inclusão. Na maior parte dos casos, as lideranças se mostram ativas no desenvolvimento dos novos hábitos e cruzamento de culturas dentro da empresas. Inclusão de negros, mulheres e gays está na pauta das melhores empresas do mundo em gestão da diversidade. Listamos aqui as principais empresas que apoiam a diversidade e que você pode se inspirar:

Johnson & Johnson

Johnson & Johnson atinge o primeiro lugar da DiversityInc este ano. O uso de uma metodologia de negócios para coletar insights de toda a organização permitiu que a empresa se concentrasse em três áreas fundamentais para o avanço da Diversidade e Inclusão na empresa – promovendo uma cultura de inclusão e inovação, criando uma força de trabalho diversificada para o futuro e aprimorando desempenho comercial e reputação. A Johnson & Johnson é especializada na produção de farmacêuticos, utensílios médicos e produtos pessoais de higiene. Suas ações fazem parte da lista industrial de Dow Jones.

O compromisso com a D&I começa no topo com seu presidente e CEO, Alex Gorky, que conduz a responsabilidade e o engajamento nos escalões mais altos. A empresa fez grandes progressos na incorporação de D&I no gerenciamento de talentos, do recrutamento ao desenvolvimento e ao avanço. A Johnson & Johnson usa a tecnologia para ajudar a eliminar o viés de gênero nas descrições de cargos, e também treina os entrevistadores para combater o preconceito durante o processo de entrevista. Garantir que os programas de desenvolvimento atendam às necessidades de todos os seus funcionários é outro grande sucesso. Seu Programa de Patrocínio para Diversos Talentos teve tanto sucesso que eles estão expandindo este ano.

AT&T

A AT&T permanece nos três primeiros lugares pelo segundo ano, com representação diversificada em todos os níveis organizacionais, desde funcionários voltados para o cliente da linha de frente até executivos seniores – especialmente para mulheres e pessoas de cor (*em inglês o termo utilizado é people of color, que quer dizer todas as pessoas não brancas, como negros, índios, pardos e englobando etnias diferentes, como indianos, asiáticos e latinos). companhia americana de telecomunicações. A AT&T provê serviços de telecomunicação de voz, vídeo, dados e Internet para empresas, particulares e agência governamentais.

O presidente e diretor executivo Randall Stephenson é um líder de diversidade ponderado e visível. Em 2016, com 1.700 pessoas na sala, Randall fez um discurso intitulado “Tolerance for Cowards”, que se tornou viral no mundo da diversidade. Com humildade e honestidade, ele falou sobre as tensões raciais e exemplificou o tipo de compromisso de liderança necessário atualmente. Randall preside o conselho executivo de diversidade e todos os seus subordinados diretos participam de orientação formal.

Com base em suas iniciativas bem-sucedidas de diversidade e inclusão da força de trabalho em 2017, as ERGs e Redes de Empregados da AT & T tiveram um ano marcante, com 133.000 adesões totais e 388.337 horas de voluntariado. Os membros da AT&T ERG fizeram a diferença em educação e desenvolvimento, distribuindo quase US $ 860.000 em bolsas de estudos.

A Conferência Nacional do ERG da AT&T de 2017 atraiu um recorde de 2.000 participantes, com mais 2.100 participantes através do webcast. Um ano depois de implementar Conversations of Understanding – um programa que incentiva a discussão de histórias pessoais de maneiras que normalmente não são experimentadas em um ambiente de trabalho – os membros da AT&T ERG levaram a sério uma mensagem do diretor de diversidade sobre mover para fora das câmaras de eco para entender melhor os diferentes pontos de vista.

A AT&T continuou a apoiar suas diversas comunidades com organizações como a Peace Through Business, um programa de treinamento que oferece educação empresarial à mulheres empreendedoras no Afeganistão e em Ruanda. A empresa também teve um impacto positivo em nível local e estadual, por meio do apoio de organizações como o Fundo Federal de Inovação Social Friends of the Children – que atende jovens carentes em Chicago.

Mastercard

O presidente e CEO Ajay Banga abordou publicamente a necessidade de as empresas americanas contratarem mais mulheres e reduzirem as diferenças salariais entre os gêneros. Aqui está como ele descreve qual comportamento é necessário: “Estamos focados em ser um local de trabalho que funciona com decência e inclusão. Seu DQ, quociente de decência, determinará o quão bem você faz na vida, não apenas seu QI. Quando as pessoas trabalham em um ambiente de decência e justiça, eles carregam uma paixão e orgulho que inspira o seu melhor trabalho”.

Ajay é indiano e está à frente de uma das maiores empresas de cartão de crédito dos EUA e do mundo. Ele pessoalmente liderou a acusação de fechar a lacuna salarial de gênero na Mastercard. A representação de mulheres em seus 10% de pessoas mais bem pagas aumentou 20% nos últimos 4 anos. A Mastercard também tem o dobro de mulheres nos dois níveis mais altos de gerenciamento do que o S&P 500.

Toyota Motor

Going Places, Together – Estratégia de Diversidade e Inclusão da Toyota – constitui uma promessa inabalável de sempre fazer o que é certo para tornar o mundo um lugar melhor. Essa frase também ancora a poderosa promessa da Toyota de tratar todos os membros da equipe, parceiros e clientes com igual respeito e dignidade – inabalavelmente.

Este compromisso é inerente aos princípios de longa data da Toyota: Respeito pelas Pessoas e Melhoria Contínua. A empresa, gigante do ramo automobilístico, envolve os talentos e paixões de seu pessoal para promover uma cultura mais aberta e inclusiva, onde todos possam prosperar e incentivar novas ideias para ajudar a criar mobilidade para todos. Afinal, quando boas ideias são compartilhadas, grandes coisas podem acontecer.

Em nenhum lugar esse efeito cascata é mais óbvio do que no programa Diversidade de Fornecedores da Toyota. Uma comunidade diversificada de fornecedores impulsiona a inovação, constrói parcerias significativas e conecta a Toyota e seus membros à comunidade. A Toyota não apenas constrói a responsabilidade de D&I em todas as suas operações de fornecedores, mas também está continuamente expandindo sua rede para incluir mais negócios pertencentes a mulheres, minorias, veteranos, pessoas com deficiências e indivíduos LGBT.

The Walt Disney

A empresa tem quase o dobro de negros nos dois primeiros níveis e 35% mais mulheres no conselho de diretores. A empresa lançou o Black Panther em fevereiro, que é a terceira maior bilheteria de todos os tempos na América do Norte. O filme arrecadou US $ 1,29 bilhão até o momento, globalmente.

“Na Disney, contamos histórias reconfortantes e inspiradoras que unem as pessoas. Criamos personagens duradouros e experiências mágicas que ajudam as pessoas a fazerem memórias ao longo da vida.

Nosso pessoal conduz a inovação e a conexão que são as marcas de nossas marcas. Construímos equipes que refletem as experiências de vida de nossos públicos. E, em todos os locais de trabalho da Disney, valorizamos e incentivamos a curiosidade, a inovação e as ideias de todos.

A inclusão é uma parte crítica de contar as melhores histórias, ser relevante e expandir o público. Temos orgulho de contar histórias que importam e são um reflexo de nós. Isso não significa que nosso trabalho esteja terminado. Continuamos a ouvir, aprender e imaginar as possibilidades”, coloca o CEO e presidente da companhia, Robert A. Iger.

Latondra Newton é mulher, negra e vice-presidente da gigante dos cinemas. Newton também é diretora de diversidade da empresa e garante que “todos os dias, aspiramos a criar experiências inspiradoras, comoventes e emocionantes que encantem nossos consumidores, espectadores e convidados em todo o mundo… e no centro de nosso sucesso estão as diversas perspectivas, a curiosidade e a inovação de nosso pessoal”.

General Motors – GM

A General Motors subiu 11 pontos na lista da DiversityInc este ano. A Presidente e CEO da gigante automobilística, Mary Barra, preside o conselho executivo de diversidade que se reúne mensalmente. Mary também vincula a remuneração dos executivos aos objetivos do conselho.

A GM está muito comprometida em orientar jovens garotas em STEM (Science, Technology, Engineering, and Mathematics). Lançou uma nova parceria com o Girls Who Code e expandiu os esforços com uma promessa de 850.000 dólares para mais quatro grupos – incluindo o Black Girls Code, que está lançando um capítulo local em Detroit. Ken Barrett, Chief Diversity Officer, é membro do conselho do NOD- The National Organization on Disability.

The Boeing Company

A corporação multinacional norte-americana de desenvolvimento aeroespacial e de defesa, Boeing, participa pela primeira vez da lista da DiversityInc. Seu presidente e CEO, Dennis Muilenburg, preside o conselho de Diversidade e Inclusão dos principais executivos da empresa, que também atua como patrocinador de seus nove Grupos de Recursos de Negócios.

A Boeing tem dois eventos corporativos exclusivos, a Global and Diversity Inclusion Summit e a Global Women’s Leadership Conference, ambas com a participação de funcionários em todo o mundo. Além disso, a Boeing realizou 23 Empowering Women’s Forums em 8 locais, atingindo mais de 1.300 participantes que são 87% mulheres e 41% etnicamente diversas.

A empresa se esforça para oferecer um ambiente onde todos sejam vistos, ouvidos, valorizados e respeitados. Construir essa cultura começa no topo, com o CEO presidindo um conselho de Diversidade e Inclusão dos principais executivos da empresa, que também atua como patrocinador dos nove Business Resource Groups (BRGs) da empresa.

A Boeing oferece muitas maneiras para as pessoas atingirem seu potencial. Os funcionários lideram mais de 120 capítulos do Business Resource Group e 40 do Conselho de Diversidade. Afiliações técnicas externas permitem que as pessoas da Boeing mostrem suas conquistas e se conectem com especialistas dentro e fora da empresa. Uma cúpula anual sobre Diversidade e Inclusão atrai centenas de pessoas de toda a empresa global para aprender com líderes de empresas e especialistas externos e adquirir novas habilidades para promover a diversidade e a inclusão em suas equipes de trabalho e na comunidade.

Até o momento, mais de 1.200 mulheres líderes, funcionários e aliados masculinos se reuniram para discutir a liderança das mulheres, a diversidade de gênero, a eficácia na vida profissional e o sucesso na carreira. Além disso, a empresa está desenvolvendo uma estratégia focada em mulheres multiculturais para enfrentar os desafios específicos que enfrentam no local de trabalho e está organizando a segunda conferência anual de liderança feminina da empresa em 2018. Outros componentes importantes da estratégia mais ampla da empresa para atrair, desenvolver e reter os melhores talentos e equipes diversificadas, incluindo um foco especial em veteranos, pessoas com deficiências e comunidades LGBTQ.

Sabe o que essas empresas têm em comum? Todas valem milhões, são gigantes de suas áreas, reconhecidas mundialmente e autoridade em quesitos de Inclusão e Diversidade.

Ter uma força de trabalho diversificada já não significa mais apenas paridade entre gêneros. Diversidade significa empregar pessoas de diferentes gerações e culturas, pessoas com capacidades diversas e também certificar-se de que há igualdade em todas as dimensões da diversidade. A diversidade emerge como ponto fundamental, compor uma equipe que privilegia diferenças é peça-chave para encontrar soluções mais adequadas ao cenário complexo vivido atualmente.

Então, como uma empresa pode assegurar verdadeiramente que está adotando a diversidade em sua força de trabalho e que isso não se trata apenas de teoria?

A diversidade na Umbler

A Umbler apoia a diversidade e incentiva movimentos representativos, mas admite que muito ainda pode – e deve – ser melhorado para alcançarmos nossos objetivos. Construir uma política cultural dentro da empresa, de forma que não haja tolerância para discriminação e preconceitos é o primeiro passo, mas também é preciso pensar em como tornar a empresa mais diversa. Essa realidade vem sendo trabalhada internamente desde o nascimento da Umbler e está enraizada em sua cultura.

Diversidade não refere apenas a gênero, mas também a etnia, raça e sexualidade. Ter uma empresa com uma cultura diversa significa também dar oportunidade para todas as minorias e garantir que não haja qualquer forma de discriminação no ambiente profissional.

 

Anderson Vianna

Anderson Vianna

People Partner

Anderson esclarece alguns pontos sobre ambiente de trabalho diversificado e o ideal que a Umbler busca alcançar:

– O que significa ter um ambiente de trabalho diverso?
“Ambiente diverso é um lugar seguro para todos os tipos de pessoas. Um lugar que tenha representatividade e a diversidade que a sociedade brasileira tem. O contexto de lugar seguro é resultado dessa representatividade dentro da empresa”.

– O que fazer para recrutar e manter pessoas de perfis diversos na empresa?
“A maneira de se comunicar com o mercado é bem importante. Coisas simples como criar uma descrição de cargo inclusiva e deixar claro o posicionamento da empresa podem fazer a diferença.
Em relação a manutenção das pessoas, o mais importante é trabalhar constantemente para moldar a cultura. Um contexto de trabalho em que as pessoas se sintam seguras e respeitadas é o chave para que elas fiquem”.

– Quais práticas podem ser adotadas?
“Uma prática interessante é realizar toda a etapa técnica do processo seletivo sem revelar o gênero da pessoa. Precisa saber se é homem ou mulher pra fazer a review de um código por exemplo?
Participar e promover eventos. Procurar parcerias com grupos de diversas representatividades funciona super bem também”.

– Quais os benefícios para o crescimento da empresa?
“Existem vários estudos que comprovam que times diversos geram mais valor e tem melhores resultados. Isso é científico.
Acho que o mais importante é o benefício cultural. É sempre bom conviver com pessoas diferentes, tentar entender a perspectiva do outro e exercitar a compaixão.
Acaba sendo um benefício social também, ajuda as pessoas a desconstruir padrões e preconceitos. O que é sempre bom”.

– Porque a diversidade importa tanto na cultura de uma empresa?
“Porque ela é fundamental para o sucesso de uma empresa de tecnologia. Você precisa disputar pelos melhores talentos, nesse grupo seleto existe todos os tipos de pessoas. Você precisa promover um ambiente criativo, existe algo melhor para criatividade do que diferentes pontos de vistas, vivências e experiências”.

Quer fazer parte desse time? Fica de olho que estamos com vagas abertas!

Por que apoiar a causa?

A desigualdade no mercado de trabalho é um dos maiores desafios enfrentados por organizações de todos os tamanhos e setores em todo o mundo. Além de comprometer-se com a igualdade em seus negócios, empresas podem ajudar clientes em seus caminhos na direção da diversidade no local de trabalho. É preciso incentivar empresas diversificadas, com líderes fortes que promovam modelos como esse – o da diversidade de gênero, o da diversidade cultural e sob diferentes pontos de vista.

Passaram alguns milênios para que a humanidade chegasse onde estamos, em um mundo hiperconectado, em que os limites geográficos são mínimos no mundo virtual. Assegurar que sua força de trabalho seja representativa dessa geração e abraçar suas perspectivas vai garantir a capacidade de atender às demandas dos clientes.

A cultura de uma organização é a batida do coração dos negócios. É o que atrai talentos e o que ajuda sua atual força de trabalho a prosperar. Acima de tudo, ao olhar para seus profissionais, não se esqueça de que a diversidade é uma boa prática de negócio – resultados fortes geram o hábito. E a diversidade gera resultados.

Sua empresa também está alinhado com esses valores, apoia e incentiva times diversos? Conte sua história nos comentários, nós vamos adorar saber!

Jéssica Beltrame
Jéssica Beltrame