Antonio Carlos Soares (Convidado)
Antonio Carlos Soares (Convidado), CEO do Runrun.it Runrun.it

Quais são as tendências de carreira de TI?

Compartilhe

Basta uma pesquisa rápida em sites de oportunidades profissionais para constatar que o mercado de tecnologia da informação se sobressai como um dos mais promissores. E são duas as regras de ouro para ser bem-sucedido nesta profissão: acompanhar a evolução das tecnologias e qualificar-se para atender às necessidades das organizações. Pensando nisso, elencamos a seguir as principais tendências a que os profissionais da área devem estar atentos para se manterem competitivos no mercado. Confira!

#1 Desenvolvedores são os mais buscados

Dentro do leque de atuação em TI, a área de desenvolvimento é a que se mostra uma das mais promissoras. Só no ano passado, quase metade (41%) das vagas de TI foram preenchidas por desenvolvedores, aponta um levantamento da Conquest One. E essa demanda deve seguir em alta. Em relação às especialidades mais desejadas, o pódio é formado por .Net, PL-SQL e Java.

#2 Técnicas de análises de dados e Big Data

Com TI cada vez mais centrada em software e negócios realizados eletronicamente, o volume de dados a que as empresas passaram a ter acesso é bastante expressivo – e só cresce. Para organizá-los e interpretá-los, entram em ação especialistas como Data Scientists. Seu trabalho é permitir que a empresa analise o desempenho e faça o rastreamento dos websites, podendo correlacionar os perfis dos compradores com os dados da cadeia de suprimentos, e assim por diante. Dessa forma, o profissional de TI que tiver familiaridade com ferramentas para captar e reunir dados, sem dúvida, ganha vantagem competitiva para sua carreira.

#3 SaaS (Software as a Service)

O SaaS (Software as a Service, Software como Serviço, na tradução da sigla em inglês) ganha importância na medida em que as empresas passaram a comprar aplicativos como serviços para CRM (Customer Relationship Management), automação de marketing e gestão de projetos. Onde se insere o profissional de TI neste contexto? As empresas podem contar com seu trabalho para analisar mais profundamente o impacto do aplicativo contratado sobre os resultados do negócio.

#4 Programadores, especialistas de segurança e gerentes de cloud

A forma como a tecnologia está sendo consumida no setor de TI está mudando. Acompanhar esta evolução e se preparar para lidar com ela é fundamental para o profissional que deseja se destacar no mercado. Há algum tempo, um servidor era um servidor e uma rede era uma rede. Havia coisas físicas para conectar. Mas tudo isso já está disponível por software.

Isso representa uma mudança drástica de paradigma no mundo de TI: de um modelo centrado em hardware para um modelo centrado em software. Segundo levantamento da CompTIA, mais de 90% das empresas norte-americanas estão usando alguma forma de computação na nuvem. Além disso, um relatório de novembro 2014 constatou que as companhias, cada vez mais, transferem suas infraestruturas ou aplicativos para ambientes na nuvem.

Esse movimento tende a se acelerar, acarretando uma demanda intensa por profissionais, especialmente o gestor de capacidade, avalia Mike Sutcliff, executivo-chefe da Accenture Digital.

#5 Hardware, software e especialistas em Analytics

Um relatório de 2014 da PwC sobre o futuro dos wearables prevê um mundo onde os dispositivos portáteis serão utilizados para treinar novos funcionários, acelerar o processo de vendas, melhorar serviços ao cliente, dar orientação por voz aos profissionais e aumentar a precisão das informações coletadas, para dar conta do crescente movimento de análise nas empresas.

Jack Cullen, presidente da empresa de recursos humanos TI Modis, pontua que a mudança rumo às tecnologias “para vestir” poderá estimular o empreendedorismo tanto ou mais que o advento dos smartphones. “Em 2020, esses dispositivos serão tão comuns quanto o iPhone é hoje. Isso cria novas oportunidades”, ele comenta.

O especialista espera que organizações de todos os tipos identifiquem posições de trabalho e processos que podem se beneficiar dos wearables, o que, por sua vez, significa que os departamentos de TI vão procurar profissionais com a capacidade de implantar, gerenciar e manter o hardware, bem como especialistas que podem desenvolver, sugerir e personalizar aplicações e programas de análise que tornarão esses dispositivos ainda mais úteis dentro das organizações.

#6 Especialistas que apliquem conceitos de IA e Robótica

Inteligência artificial e Robótica já passaram da ficção científica para a realidade há algum tempo. Em breve, são conceitos que chegarão em um negócio (bem) perto de você. De acordo com um relatório do Pew Research Center, essas tecnologias “vão permear vários aspectos da vida cotidiana em 2025, com enormes implicações para uma variedade de indústrias, como saúde, transporte e logística, atendimento ao cliente e manutenção residencial.”

Não surpreendentemente, especialistas nesta área verificam uma demanda crescente. Profissionais de TI terão papéis a desempenhar na programação, integrando e construindo a infraestrutura para aplicações organizacionais da IA (inteligência artificial) e robótica.

#7 Profundos conhecedores de segurança

O Bureau of Labor Statistics prevê um crescimento de 37% em cargos de analista de segurança da informação entre 2012 e 2022. A expansão virá devido ao fato de que praticamente todas tecnologias emergentes estão exigindo, e continuarão a exigir, ainda mais atenção a partir do programa de segurança, privacidade e acesso de uma organização.

“Para todas as grandes oportunidades que nuvem, análise social e móvel, e a IoT (Internet das coisas) trarão, os ganhos econômicos podem ser significativamente inferiores caso não existam programas robustos de segurança e protocolos em vigor”, avalia Matt Aiello, sócio no escritório Heidrick & Struggles, empresa especializada em recrutamento de CIOs.

Além do desenvolvimento web, quais outras habilidades você está em busca de aprimorar? Conte para nós nos comentários 🙂

Antonio Carlos Soares (Convidado)
Antonio Carlos Soares (Convidado), CEO do Runrun.it Runrun.it